Receita de Bolo de Limão

INGREDIENTES

Para o bolo:

  • 2 ovo(s) (clara(s) em neve).
  • 1 e 0,5 xícara(s) de açúcar.
  • 3 colher(es) de sopa de margarina.
  • Suco de 1 ou 2 limões (depende do tamanho).
  • Raspa(s) de casca de limão.
  • 3 e 0,5 xícara(s) de farinha de trigo.
  • 1 xícara(s) de leite.
  • 2 colher(es) (sopa) fermento em pó.

Para a cobertura:

  • 2/3 lata(s) de leite condensado.
  • Raspa(s) da casca de 1 limão pequeno.
  • Suco de 0,5 limão.

MODO DE PREPARO

Bolo:

  1. Bater no liquidificador as gemas o açúcar e a margarina.
  2. Em seguida juntar o suco, raspa(s) de limão, leite e a farinha aos poucos.
  3. Por último misturar delicadamente as claras em neve e o fermento.
  4. Espalhar a massa em uma assadeira retangular média já untada e assar no forno (já preaquecido) por mais ou menos 40 minutos em temperatura de 250ºC.

Cobertura:

  1. Misturar tudo em uma panela pequena e levar ao fogo mexendo sempre até levantar fervura.

Ginástica Olímpica

A ginástica artística, também conhecida no Brasil por ginástica olímpica, é uma modalidade de ginástica onde os atletas realizam um conjunto de exercícios em aparelhos oficiais. Movimentos estes que revelam força, agilidade, flexibilidade, coordenação, equilíbrio e controle do corpo.

Os aparelhos da ginástica artística masculina diferenciam-se dos aparelhos disputados na ginástica artística feminina no seguinte aspecto: enquanto os aparelhos masculinos procuram demonstrar a força e domínio do ginasta, os aparelhos femininos dão um destaque maior à vertente artística e à agilidade.

A ginástica olímpica fundamenta-se na evolução técnica de diferentes exercícios físicos. As provas realizadas pelos homens são: barra fixa, barras paralelas, cavalo com alças, salto sobre o cavalo, argolas e solo. As mulheres disputam exercícios de solo, salto sobre cavalo, barras assimétricas e trave de equilíbrio.

As competições oficiais de ginástica olímpica são reguladas pela Federação Internacional de Ginástica (FIG) que estabelece normas e calendários para todos os eventos internacionais. Já as competições nacionais são regulamentadas pelas diversas federações locais. Cabe também à FIG a responsabilidade sobre o Código de Pontuação, a publicação que orienta os ginastas, técnicos e árbitros na elaboração, composição e avaliação das séries em todas as provas.

A ginástica olímpica faz parte dos Jogos Olímpicos desde a sua primeira edição, em Atenas no ano de 1896, e nos Jogos Pan-Americanos desde 1951.

A prática da ginástica olímpica proporciona benefícios como flexibilidade, concentração, coordenação motora, sociabilidade.

“A Ginástica é um esporte tanto emocionante quanto belo, que não requer somente coragem de seus adeptos como também graça e domínio do corpo.”

Frase retirada do livro “O Prazer da Ginástica”.

A Ginástica Olímpica é um conjunto de exercícios corporais sistematizados, aplicados com fins competitivos, em que se conjugam a força, a agilidade e a elasticidade. O termo ginástica origina-se do grego gymnádzein, que significa “treinar” e, em sentido literal, “exercitar-se nu”, a forma como os gregos praticavam os exercícios.

História

Foi na Grécia que a ginástica alcançou um lugar de destaque na sociedade, tornando-se uma atividade de fundamental importância no desenvolvimento cultural do indivíduo. Exercícios físicos eram motivo de competição entre os gregos, prática que caiu em desuso com o domínio dos romanos, mais afeitos aos espetáculos mortais entre homens e feras.

Durante a sangrenta Idade Média, houve um desinteresse total pela ginástica como competição e o seu aproveitamento esportivo ressurgiu na Europa apenas no início do século XVIII. Foram então criadas as escolas alemã (caracterizada por movimentos lentos e rítmicos) e sueca (à base de aparelhos). Elas influenciaram o desenvolvimento do esporte, em especial o sistema de exercícios físicos idealizado por Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), o Turnkunst, matriz essencial da ginástica olímpica hoje praticada.

Modalidades

A ginástica olímpica baseia-se na evolução técnica de diversos exercícios físicos. Para os homens, as provas são: barra fixa, barras paralelas, cavalo com alças, salto sobre o cavalo , argolas e solo. As mulheres disputam exercícios de solo (com fundo musical), salto sobre cavalo (de 1,10 m de altura, na horizontal), barras assimétricas (de 2,30 m e 1,50 m de altura), e trave de equilíbrio (de 10 cm de largura e 5 metros de comprimento).

Julgamento e Pontuação

Os exercícios de cada ginasta são julgados e pontuados por um júri. Existem os elementos obrigatórios em cada aparelho, que todos os ginastas devem praticar ou perderão pontos. O ginasta deve acrescentar outros elementos para obter pontos extras. Todos os exercícios tem um valor inicial, que para os homens é 8.6 e para as mulheres 9.0. Isto quer dizer que se o ginasta não acrescentar elementos que valem bônus, seu exercício poderá obter no máximo essas notas, mesmo que sejam executados perfeitamente. O valor de cada elemento e os movimentos obrigatórios de cada aparelho estão no “Código de Pontos” desenvolvido pela FIG. Este código muda a cada quatro anos, após as Olímpiadas, tornando-se mais elaborado. Os juízes procuram erros de postura, de execução, dentre outros, para deduzir da valor inicial do atleta.

GINÁSTICA OLÍMPICA MASCULINA

Os homens competem em seis aparelhos – salto sobre o cavalo, barras paralelas, cavalo com alças, barra fixa, solo e argolas. A nota inicial das séries masculinas é 8.6. Para atingir a nota máxima de partida – 10 pontos – os ginastas devem executar, além dos movimentos obrigatórios, elementos extras que bonificam suas rotinas.

I – SOLO

O exercício de solo para homens dura entre 50 e 70 segundos e ao contrário do feminino não é acompanhado de música.

II – CAVALO COM ALÇAS

Está a 1,05 metro do solo e tem 1,60 metro de comprimento. O ginasta deve executar movimentos contínuos de círculos e tesouras. Somente as mãos devem tocar o aparelho.

III – ARGOLAS

Estão a 2,55 metros do solo. Durante a apresentação o ginasta deve ficar pelo menos dois segundos parado numa posição vertical ou horizontal em relação ao solo. As argolas devem sempre permanecer paradas.

IV – SALTO SOBRE CAVALO

O cavalo está a 1,35 metro do solo. O ginasta deve comunicar aos árbitros qual salto irá realizar para que se possa atribuir a nota de partida..

V – BARRAS PARALELAS

Estão a 1,75 metro do solo. Durante a apresentação o ginasta deve executar um movimento em que ambas as mãos não estejam em contato com o aparelho.

V – BARRA FIXA

Está a 2,55 metros de altura. Durante a execução da prova o atleta deverá manter-se durante em movimento realizando movimentos como mortais e saltos encarpados.

 

GINÁSTICA OLÍMPICA FEMININA

Ginasta

A Ginástica Olímpica Feminina, modalidade constituída por quatro aparelhos, ou provas, onde as ginastas apresentam-se na ordem olímpica.

I – SALTO SOBRE O CAVALO

Todos os saltos devem ser realizados com repulsão de ambas as mãos sobre o cavalo. A distância da corrida pode ser determinada individualmente. No limite máximo de 25 mts.

A chegada no trampolim deve ser com os dois pés e pode ser:
da corrida de aproximação ou de um elemento.

São permitidas 3 ( três ) corridas de aproximação, desde que a ginasta não tenha tocado o trampolim e ou o cavalo. Não é permitida uma quarta corrida.

Os saltos encontram-se classificados em quatro grandes grupos, onde os valores variam de 8 a 10.00 pts.

II – BARRAS PARALELAS ASSIMÉTRICAS

A avaliação do exercício começa com a impulsão no trampolim, ou colchões.
O exercício deve ser composto de elementos de diferentes grupos. As partes de dificuldade A – B – C – D e E devem representar uma variedade dos seguintes grupos de elementos:

Dos grupos estruturais devem ser executados elementos com giros sobre o eixo longitudinal (piruetas) e transversal (mortais), trocas de tomadas e elementos com vôo.

III – TRAVE DE EQUILÍBRIO

A avaliação do exercício começa com a impulsão no trampolim até a saída nos colchões.

A duração do exercício na trave de equilíbrio não poder ser menor de 1 minuto e 10 segundos, nem maior que 1 minuto e trinta segundos.

Durante o exercício devem ser criados pontos altos e dinâmicos com:

A. Elementos acrobáticos e ginásticos de diferentes grupos.
B. Variações no ritmo entre movimentos rápidos e lentos, para frente, lado e para trás.
C. Mudança do trabalho próximo e afastado da trave.

IV – SOLO

A avaliação do exercício começa com o primeiro ginástico ou acrobático da
ginasta. A duração do exercício de solo não pode ser menor que 1 minuto e 10 segundos nem maior que 1 minuto e trinta segundos.

O acompanhamento musical pode ser orquestrado, piano ou outro instrumento sem canto.

Ultrapassar a área de solo ( 12 m x 12 m ) significa tocar o solo com qualquer parte do corpo, fora da linha demarcatória, a cada ultrapassagem existe uma dedução

As partes de valor ( dificuldade ) A – B – C – D e E devem pertencer aos seguintes grupos de elementos:

Elementos acrobáticos com ou sem fase de vôo para frente ou para o lado e para trás.

Elementos ginásticos, tais como: giros, saltos, combinações de passos e corridas e ondas corporais

COMPETIÇÃO E PONTUAÇÃO

As categorias em que se compete são:

a) Pré infantil (6 anos)
b) Infantil (7 e 8 anos)
c) Infantil A (9 e 10 anos)
d) Infantil B (11 e 12 anos)
e) Juvenil (13 a 15 anos)
f) Maiores (16 anos adiante).

Existe uma segunda classificação por níveis ( classificados por letras ) que determina o nível de dificuldade dos exercícios e os aparelhos :

a) Escolinha (somente metropolitano)
b) D (solo exercícios de solo e salto obrigatórios)
c) C2 (se compete em quatro aparelhos)
d) C1 (os exercícios obrigatórios )
e) B2 (os exercícios podem ser livres ou obrigatórios dependendo da categoria )
f) B1 (exercícios livres com alguma exceções nas categorias mais jovens)
g) A o Elite (as 6 melhores notas deste nível integram a seleção nacional).

A nota máxima que um ginasta pode alcançar é 10,00 e se consegue pela soma dos diferente pontos dos árbitros. São eles:

  • Dificuldades e parte de valor (3,00)
  • Exigências específicas ou requisitos obrigatórios (1,40 – 0,20)
  • Bonificação (1,00)
  • Composição e combinação (0,60)
  • Execução (4,00)

Existem quatro tipos de classificações :

  • Concurso I: classificatório para os outros três concursos (obrigatório).
  • Concurso II: se chama All Around. é para determinar a ganhadora da classificação individual geral (participam as 36 melhores classificadas no concurso I).
  • Concurso III: se compete por aparelhos (participam as 8 melhores classificadas em cada aparelho no concurso I).
  • Concurso IV: é a competição por equipe (participam as 6 equipes melhores classificadas no concurso I).

A ordem de competição é por sorteio.

A pontuação por equipe se faz da seguinte forma:

  • Cada equipe contém 6 ginastas.
  • Em cada aparelho competem 5 ginastas (o técnico decide quem compete em cada aparelho).
  • Se pega as 4 melhores notas deste aparelho, o seu total é a nota por equipe neste aparelho.
  • Se repete o procedimento nos outros aparelhos.

Os aparelhos em que se competem seguindo a ordem olímpica são: salto sobre cavalo, paralelas assimétricas, trave e solo.

SALTO

O cavalo tem 1,25 m de altura medida desde o colchão. Existem quatro grupos de saltos:

a) Saltos simples e saltos com mortais.
b) Saltos com e sem giros seguidos de mortal.
c) Entradas Tsukaharas (entrada no cavalo com ½ giro como no rodante e em seguida se faz diferentes tipos de mortais).
d) Entradas Yurchenkos (se faz um rodante em cima do trampolim e entra no cavalo em posição de flic para depois fazer mortais e piruetas).

PARALELAS ASSIMÉTRICAS

A altura da barra inferior é de 1,65 m e a barra superior é de 2,45 m (+/- 3 cm); a separação entre as barras é de 1,50 m. Os 7 requisitos são:

a) 3 trocas de barras
b) 2 elementos com valores diferentes
c) Um elemento com giro
d) Uma saída de dificuldade

As normas de execução são:

a) Alguma execução por de baixo da barra inferior e por cima da barra superior
b) Execução por fora e entre as barras
c) Múltiplas trocas de barras (mínimo 3)

TRAVE DE EQUILíBRIO

A altura da trave é de 1,25 m e tem 5 me de largura. O exercício deve durar entre 1’10” e 1’30”.
Seus requisitos são:

a) Uma série acrobática de 2 ou mais elementos com vôo
b) Uma série ginástica de 2 ou mais elementos
c) Uma série mista (acrobático + ginástico ou vice e versa) de 2 ou mais elementos
d) Um elemento por baixo da trave
e) Um giro de 360° sobre uma perna
f) Um salto de grande amplitude
g) Uma saída de dificuldade C nos concursos I, II y IV e de dificuldade D no concurso III.

Durante a apresentação é exigido que a ginasta realize trocas de níveis (altura), trocas harmônica entre grupos de elementos, movimentos em posição lateral, cruzada e oblíqua ao árbitro e não se permite mais de 2 elementos estáticos ( ex.: avião, parada de mãos ).

SOLO

A apresentação se realiza em um tablado de 12 x 12 metros, dura entre 1’10” e 1’30” e é acompanhado por música sem canto.

Seu requisitos são:

a) 2 séries acrobáticas de pelo menos 3 elementos
b) Uma dessas 2 séries deve ser combinada (significa que 2 saltos mortais obrigatórios devem ser em diferentes direções)
c) Uma série ginástica de 3 elementos
d) Uma série mista de 3 elementos
e) Um ginástico de dificuldade mínima C
f) Uma saída na série acrobática de dificuldade C nos concursos I, II e IV e de dificuldade D no concurso III.

Ginasta

Durante a apresentação é exigido que a ginasta realize trocas harmônicas entre elementos acrobáticos e ginásticos, trocas dinâmicas entre movimentos lentos e rápidos, harmonia entre a música e os movimentos, e utilização de todo o tablado.

Capoeira angola

Capoeira angola ou somente Angola é o estilo de capoeira mais próximo de como os negros escravos jogavam a capoeira. Caracterizada por ser mais lenta, porém rápida, movimentos furtivos executados perto do solo, como em cima, ela enfatiza as tradições da capoeira, que em sua raiz está ligada aos afro-brasileiros. Sua música é cadenciada, orgânica e ritualizada e o correto é estar sempre acompanhada por uma bateria completa de oito instrumentos, chamada de bateria de Angola.

É uma manifestação da cultura popular brasileira onde coexistem aspectos normalmente compreendidos de forma segmentada pela cultura que se fez oficial, como o jogo, a dança, a mímica, a luta e a ancestralidade, unidos de forma coesa, simples e sintética. Possui suas origens em elementos da cultura de várias matizes de povos africanos que foram escravizados e mantidos em cativeiro no Brasil no século XIX, sincronizados com elementos de culturas nativas (povos indígenas) e de origem européia.

Happy

Cria uma classe chamada Faculdade, contendo:  Atributos privado: nome, cursos (tipo String[]), cidade, estado e logradouro.  Dois construtores: um sem parâmetros (padrão) e outro com os parâmetros: nome, cidade e estado.  Métodos getters e setters para todos os atributos.  Crie uma classe TestaFaculdade e faça: o Crie quatros objetos dessa classe, sendo dois deles utilizando o construtor padrão e outros dois utilizando o construtor definido pelo programador (você). Além disso, imprima os dados de todos os objetos.

Classe Faculdade:

/*
* To change this license header, choose License Headers in Project Properties.
* To change this template file, choose Tools | Templates
* and open the template in the editor.
*/
package br.edu.facema.lista09;

/**
*
* @author FHLC
*/
public class Faculdade {

private String nome, cursos, tipo, cidade, estado, logradouro;

public Faculdade() {
}

public Faculdade(String nome, String cidade, String estado) {
this.nome = nome;
this.cidade = cidade;
this.estado = estado;
}

public String getNome() {
return nome;
}

public void setNome(String nome) {
this.nome = nome;
}

public String getCursos() {
return cursos;
}

public void setCursos(String cursos) {
this.cursos = cursos;
}

public String getTipo() {
return tipo;
}

public void setTipo(String tipo) {
this.tipo = tipo;
}

public String getCidade() {
return cidade;
}

public void setCidade(String cidade) {
this.cidade = cidade;
}

public String getEstado() {
return estado;
}

public void setEstado(String estado) {
this.estado = estado;
}

public String getLogradouro() {
return logradouro;
}

public void setLogradouro(String logradouro) {
this.logradouro = logradouro;
}

}

Classe TestaFaculdade:

/*
* To change this license header, choose License Headers in Project Properties.
* To change this template file, choose Tools | Templates
* and open the template in the editor.
*/
package br.edu.facema.lista09;

/**
*
* @author FHLC
*/
public class TestaFaculdade {

public static Faculdade osp1 = new Faculdade();
public static Faculdade osp2 = new Faculdade();
public static Faculdade ocp1 = new Faculdade(“FHLC_ocp1_nome”, “FHLC_ocp1_cidade”, “FHLC_ocp1_estado”);
public static Faculdade ocp2 = new Faculdade(“FHLC_ocp2_nome”, “FHLC_ocp2_cidade”, “FHLC_ocp2_estado”);

public static void main(String[] args) {
osp1.setNome(“FHLC_osp1_nome”);
osp1.setCursos(“FHLC_osp1_cursos”);
osp1.setCidade(“FHLC_osp1_cidade”);
osp1.setEstado(“FHLC_osp1_estado”);
osp1.setLogradouro(“FHLC_osp1_logradouro”);
osp2.setNome(“FHLC_osp2_nome”);
osp2.setCursos(“FHLC_osp2_cursos”);
osp2.setCidade(“FHLC_osp2_cidade”);
osp2.setEstado(“FHLC_osp2_estado”);
osp2.setLogradouro(“FHLC_osp2_logradouro”);
ocp1.setCursos(“FHLC_ocp1_cursos”);
ocp1.setLogradouro(“FHLC_ocp1_logradouro”);
ocp2.setCursos(“FHLC_ocp2_cursos”);
ocp2.setLogradouro(“FHLC_ocp2_logradouro”);
System.out.printf(“Nome: %s\nCursos: %s\nCidade: %s\nEstado: %s\nLogradouro: %s\n\nNome: %s\nCursos: %s\nCidade: %s\nEstado: %s\nLogradouro: %s\n\nNome: %s\nCursos: %s\nCidade: %s\nEstado: %s\nLogradouro: %s\n\nNome: %s\nCursos: %s\nCidade: %s\nEstado: %s\nLogradouro: %s\n”, osp1.getNome(), osp1.getCursos(), osp1.getCidade(), osp1.getEstado(), osp1.getLogradouro(), osp2.getNome(), osp2.getCursos(), osp2.getCidade(), osp2.getEstado(), osp2.getLogradouro(), ocp1.getNome(), ocp1.getCursos(), ocp1.getCidade(), ocp1.getEstado(), ocp1.getLogradouro(), ocp2.getNome(), ocp2.getCursos(), ocp2.getCidade(), ocp2.getEstado(), ocp2.getLogradouro());
}
}

Crie uma classe chamada Empregado, contendo:  Atributos privado: idCargo, nome, salario e departamento.  Dois construtores: um sem parâmetros (padrão) e outro com os parâmetros: idCargo, nome, salario e departamento.  Métodos getters e setters para todos os atributos.  Crie uma classe TestaEmpregado e faça: o Crie quatros objetos dessa classe, sendo dois deles utilizando o construtor padrão e outros dois utilizando o construtor definido pelo programador (você). Além disso, imprima os dados de todos os objetos.

Classe Empregado:

/*
* To change this license header, choose License Headers in Project Properties.
* To change this template file, choose Tools | Templates
* and open the template in the editor.
*/
package br.edu.facema.lista09;

/**
*
* @author FHLC
*/
public class Empregado {

private int idCargo;
private String nome, departamento;
private double salario;

public Empregado() {
}

public Empregado(int idCargo, String nome, double salario, String departamento) {
this.idCargo = idCargo;
this.nome = nome;
this.salario = salario;
this.departamento = departamento;
}

public int getIdCargo() {
return idCargo;
}

public void setIdCargo(int idCargo) {
this.idCargo = idCargo;
}

public String getNome() {
return nome;
}

public void setNome(String nome) {
this.nome = nome;
}

public String getDepartamento() {
return departamento;
}

public void setDepartamento(String departamento) {
this.departamento = departamento;
}

public double getSalario() {
return salario;
}

public void setSalario(double salario) {
this.salario = salario;
}

}

Classe TestaEmpregado:

/*
* To change this license header, choose License Headers in Project Properties.
* To change this template file, choose Tools | Templates
* and open the template in the editor.
*/
package br.edu.facema.lista09;

/**
*
* @author FHLC
*/
public class TestaEmpregado {

public static Empregado osp1 = new Empregado();
public static Empregado osp2 = new Empregado();
public static Empregado ocp1 = new Empregado(3, “FHLC_ocp1_nome”, 3.37, “FHLC_ocp1_departamento”);
public static Empregado ocp2 = new Empregado(4, “FHLC_ocp2_nome”, 4.725, “FHLC_ocp2_departamento”);

public static void main(String[] args) {
osp1.setIdCargo(1);
osp1.setNome(“FHLC_osp1_nome”);
osp1.setSalario(1.37);
osp1.setDepartamento(“FHLC_osp1_departamento”);
osp2.setIdCargo(2);
osp2.setNome(“FHLC_osp2_nome”);
osp2.setSalario(2.725);
osp2.setDepartamento(“FHLC_osp2_departamento”);
System.out.printf(“IdCargo: %d\nNome: %s\nSalário: %2f\nDepartamento: %s\n\nIdCargo: %d\nNome: %s\nSalário: %2f\nDepartamento: %s\n\nIdCargo: %d\nNome: %s\nSalário: %2f\nDepartamento: %s\n\nIdCargo: %d\nNome: %s\nSalário: %2f\nDepartamento: %s\n”, osp1.getIdCargo(), osp1.getNome(), osp1.getSalario(), osp1.getDepartamento(), osp2.getIdCargo(), osp2.getNome(), osp2.getSalario(), osp2.getDepartamento(), ocp1.getIdCargo(), ocp1.getNome(), ocp1.getSalario(), ocp1.getDepartamento(), ocp2.getIdCargo(), ocp2.getNome(), ocp2.getSalario(), ocp2.getDepartamento());
}
}

Crie uma classe chamada Pessoa, contendo:  Atributos privado: nome, idade, sexo, RG, CPF e endereço.  Dois construtores: um sem parâmetros (padrão) e outro com os parâmetros: nome, idade, CPF e endereço.  Métodos getters e setters para todos os atributos.  Crie uma classe TestaPessoa e faça: o Crie quatros objetos dessa classe, sendo dois deles utilizando o construtor padrão e outros dois utilizando o construtor definido pelo programador (você). Além disso, imprima os dados de todos os objetos.

Classe Pessoa:

/*
* To change this license header, choose License Headers in Project Properties.
* To change this template file, choose Tools | Templates
* and open the template in the editor.
*/
package br.edu.facema.lista09;

/**
*
* @author FHLC
*/
public class Pessoa {

private String nome, idade, sexo, RG, CPF, endereco;

public Pessoa() {
}

public Pessoa(String nome, String idade, String CPF, String endereco) {
this.nome = nome;
this.idade = idade;
this.CPF = CPF;
this.endereco = endereco;
}

public String getNome() {
return nome;
}

public void setNome(String nome) {
this.nome = nome;
}

public String getIdade() {
return idade;
}

public void setIdade(String idade) {
this.idade = idade;
}

public String getSexo() {
return sexo;
}

public void setSexo(String sexo) {
this.sexo = sexo;
}

public String getRG() {
return RG;
}

public void setRG(String RG) {
this.RG = RG;
}

public String getCPF() {
return CPF;
}

public void setCPF(String CPF) {
this.CPF = CPF;
}

public String getEndereco() {
return endereco;
}

public void setEndereco(String endereco) {
this.endereco = endereco;
}
}

Classe TestaPessoa:

/*
* To change this license header, choose License Headers in Project Properties.
* To change this template file, choose Tools | Templates
* and open the template in the editor.
*/
package br.edu.facema.lista09;

/**
*
* @author FHLC
*/
public class TestaPessoa {

public static Pessoa osp1 = new Pessoa();
public static Pessoa osp2 = new Pessoa();
public static Pessoa ocp1 = new Pessoa(“FHLC_ocp1_nome”, “FHLC_ocp1_idade”, “FHLC_ocp1_cpf”, “FHLC_ocp1_endereço”);
public static Pessoa ocp2 = new Pessoa(“FHLC_ocp2_nome”, “FHLC_ocp2_idade”, “FHLC_ocp2_cpf”, “FHLC_ocp2_endereço”);

public static void main(String[] args) {
osp1.setNome(“FHLC_osp1_nome”);
osp1.setIdade(“FHLC_osp1_idade”);
osp1.setSexo(“FHLC_osp1_sexo”);
osp1.setRG(“FHLC_osp1_rg”);
osp1.setCPF(“FHLC_osp1_cpf”);
osp1.setEndereco(“FHLC_osp1_endereco”);
osp2.setNome(“FHLC_osp2_nome”);
osp2.setIdade(“FHLC_osp2_idade”);
osp2.setSexo(“FHLC_osp2_sexo”);
osp2.setRG(“FHLC_osp2_rg”);
osp2.setCPF(“FHLC_osp2_cpf”);
osp2.setEndereco(“FHLC_osp2_endereco”);
ocp1.setSexo(“FHLC_ocp1_sexo”);
ocp1.setRG(“FHLC_ocp1_rg”);
ocp2.setSexo(“FHLC_ocp2_sexo”);
ocp2.setRG(“FHLC_ocp2_rg”);
System.out.printf(“Nome: %s\nIdade: %s\nSexo: %s\nRG: %s\nCPF: %s\nEndereço: %s\n\nNome: %s\nIdade: %s\nSexo: %s\nRG: %s\nCPF: %s\nEndereço: %s\n\nNome: %s\nIdade: %s\nSexo: %s\nRG: %s\nCPF: %s\nEndereço: %s\n\nNome: %s\nIdade: %s\nSexo: %s\nRG: %s\nCPF: %s\nEndereço: %s\n”, osp1.getNome(), osp1.getIdade(), osp1.getSexo(), osp1.getRG(), osp1.getCPF(), osp1.getEndereco(), osp2.getNome(), osp2.getIdade(), osp2.getSexo(), osp2.getRG(), osp2.getCPF(), osp2.getEndereco(), ocp1.getNome(), ocp1.getIdade(), ocp1.getSexo(), ocp1.getRG(), ocp1.getCPF(), ocp1.getEndereco(), ocp2.getNome(), ocp2.getIdade(), ocp2.getSexo(), ocp2.getRG(), ocp2.getCPF(), ocp2.getEndereco());
}
}